Todo mundo da Cultura deve ler isso. Jornal O Globo (Segundo Caderno – 24/06/2020)

Caio Avillis

Caio Avillis

Web Designer, Designer Gráfico e Artista 3D. Sou um entusiasta e curioso, a 7 anos buscando conhecimento sobre Design.
WhatsApp Image 2020-06-24 at 09.25.10

Crise do Covid-19 no Brasil nega seu último desejo ao Batata Palhaço

Leandro Maduro Costa entreteve pacientes em um hospital do Rio antes de sua morte por coronavírus

Tom Phillips

Tom Phillips no Rio de Janeiro

Qua 24 jun 2020 05.00 BSTÚltima modificação em Qua 24 Jun 2020 13,28 BST

Acções142

Leandro Maduro Costa, ou Batata Palhaço, como era conhecido no Rio, morreu de Covid-19 em maio, aos 44 anos.
 Leandro Maduro Costa, ou Batata Palhaço, como era conhecido no Rio, morreu de Covid-19 em maio, aos 44 anos. Foto: Monique Santos

Quem o conhecia e o amava diz que Leandro Maduro Costa nasceu palhaço, viveu sua vida como palhaço – e esperava morrer como um.

“Ele sempre me dizia: ‘Felipe, se eu morrer primeiro, me enterre como’ batata ‘”, disse Felipe Alves Guimarães, amigo e companheiro de animação conhecido pelo público como pandeiro.

“Será a primeira vez que um palhaço será enterrado vestido de palhaço”, lembrou Guimarães. O pandeiro prometeu honrar os desejos da batata.

Mas quando o Covid-19 começou a rasgar o Brasil em março, destruiu esses planos, já que destruiu mais de 50.000 vidas no segundo país mais atingido do mundo, depois dos EUA.

Brasil condenado a tragédia histórica pela resposta do vírus de Bolsonaro – top doctor

 Consulte Mais informação

O Palhaço Batata foi colocado no Rio em 11 de maio, cercado por um pequeno grupo de parentes e em um caixão fechado.

“Por causa desse vírus, não conseguimos realizar seu desejo”, disse Guimarães. “Isso realmente me chateou. Passei dois ou três dias trancado em casa em pedaços – porque não pude dizer uma despedida final ao meu amigo.

“Costumávamos falar ao telefone todos os dias. Mas não pude ir lá para me despedir e pedir a Deus que o recebesse de braços abertos.

Leandro Maduro Costa, também conhecido como Batata Palhaço, com sua filha Mel Cristine.
 Leandro Maduro Costa, também conhecido como Batata Palhaço, com sua filha Mel Cristine. Foto: Monique Santos

Com mais de um milhão de casos Covid-19 registrados, a maior democracia da América Latina está sendo consumida por talvez o seu confronto político mais acrimonioso em décadas – e alguns apontando o dedo diretamente para o presidente Jair Bolsonaro pela escala da calamidade.

Em grande parte oculta está a tragédia humana: uma história de amigos perdidos, pais e irmãos e dezenas de milhares de famílias mergulhadas no luto.

As vítimas do Brasil incluíram pessoas de todas as faixas políticas: políticos conservadores, funcionários públicos centristas, músicos de esquerda – e artistas, como Potato the Clown, que simplesmente tentavam encantar as pessoas, quaisquer que fossem suas inclinações.

Ana Catarine Carneiro, uma enfermeira que faz campanha para que os mortos do Brasil sejam lembrados, disse que a politização do coronavírus ocultou seu custo humano.

“O que realmente importa não pode mais ser visto”, disse Carneiro. “As pessoas não são mais visíveis. O impacto da pandemia não pode mais ser visto – e tudo o que permanece visível é a política. ”

Maduro nasceu e cresceu em Fazendinha, uma favela violenta do Rio, e mudou-se para Realengo, uma área da classe trabalhadora em que o Covid-19 matou 213 pessoas, quando adolescente, enquanto sua família tentava escapar da violência.

Amigos e parentes lembram-se de uma lista otimista de todos os negócios que, depois de servir no exército, trabalhavam como DJ e sonora do grupo de funk mais famoso do Rio, Furacão 2000, até um soldador e ativista social que fundou um projeto comunitário chamado Companhia do Amor (a Companhia do Amor). Mas fazer palhaçadas era seu chamado.

“Ele realmente nasceu com algo especial”, disse sua esposa, Monique Santos, que ele conheceu na igreja e convenceu a ser uma palhaça. “Trazer um sorriso para a vida das pessoas acalmou sua alma.”

Leandro Maduro Costa tentaria animar os pacientes do hospital com suas performances.
 Leandro Maduro Costa tentaria animar os pacientes do hospital com suas performances. Foto: Monique Santos

Seu irmão mais novo, Arnaldo de Lucena Costa Júnior, disse que a batata sempre foi o palhaço da família. “Era difícil estar de mau humor quando ele estava por perto.”

Palhaço levou Batata ao hospital Albert Schweitzer, onde mais tarde perderia sua vida aos 44 anos. O artista que freqüentava a igreja percorria os corredores e enfermarias tentando animar pacientes jovens e velhos com palavras de humor e compaixão – e galinhas de borracha amarelas.

“Ele sempre tinha algo escondido dentro da jaqueta. Ele entendia que a felicidade era uma espécie de cura. Quando alguém sente alegria, responde melhor aos medicamentos ”, disse Guimarães.

A batata construiu uma conexão particular com uma garota que sofria de uma doença degenerativa que estava no hospital há mais de uma década. “Ele sempre falava sobre ela. Eles se tornaram amigos ”, disse sua esposa, 34 anos, cujo nome artístico é Rouxinol (Nightingale), o Palhaço.

Seu corpo começou a doer em 4 de maio e ele ficou com febre. Parentes o levaram a uma clínica local, onde ele foi colocado em um gotejamento e enviado para casa.

Ele parecia estar se recuperando, postando no Facebook, em 7 de maio, para agradecer aos que desejavam suas orações, ao lado de uma foto na qual ele posava com a bandeira do Brasil em um chapéu-coco e nariz de palhaço vermelho.

Mas 24 horas depois, sua esposa começou a se preocupar e ela o levou às pressas para o hospital que ele havia evitado por medo de colocar em risco os filhos que ele entretinha. “Ele não queria ir. Mas percebi que algo estava estranho. Os lábios dele estavam roxos – ela disse.

‘O país está à deriva’: ecos da gripe espanhola à medida que a catástrofe brasileira do Covid-19 se aprofunda

 Consulte Mais informação

Lá, Santos gravou um vídeo no celular para tranquilizar a mãe e filha do palhaço, Mel Cristine, que completaria 14 anos no dia seguinte, estava tudo bem.

“Ele disse que estava bem”, ela lembrou. A batata, que tinha diabetes e pressão alta, foi internada e ela voltou para casa porque as restrições do Covid-19 significavam que os membros da família não podiam ficar. “E esse foi o último contato que tive com ele.”

Logo depois das 3 da manhã do domingo, o telefone tocou. “Eles não explicaram nada – eles apenas disseram vir ao hospital”, disse Santo. “Mas eu já podia imaginar o que tinha acontecido.”

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, cuja abordagem para lidar com o coronavírus foi condenada internacionalmente.
 O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, cuja abordagem para lidar com o coronavírus foi condenada internacionalmente. Foto: Eraldo Peres / AP

Como muitos que perderam entes queridos pelo coronavírus, os amigos e a família de Potato expressaram desconforto ao ver que a pandemia intensamente politizada estava obscurecendo a memória de suas vítimas.

“O povo brasileiro precisa se unir, seja apoiando Bolsonaro ou [ex-presidentes de esquerda] Lula ou Dilma ou qualquer outro político”, disse Guimarães. Precisamos colocar a política de lado e nos unir.

“Perdi cinco amigos em menos de um mês”, acrescentou. “Três deles muito próximos.”

O irmão do palhaço disse que se lembraria da exuberância de um pai amoroso cujo apelido vinha de suas feições curtas e gordinhas.

“Ele era apenas um cara sensacional. Topnotch, ”ele disse. “O centavo ainda não caiu.”

Incapaz de assistir ao funeral de seu palhaço favorito, as crianças locais colaram um cartaz amarelo na entrada da Companhia do Amor.

Em letras pretas e encaracoladas, eles escreveram: “Sua felicidade fez o mundo bem”

As notícias estão ameaçadas…

… justamente quando mais precisamos. Milhões de leitores em todo o mundo estão migrando para o Guardian em busca de relatórios honestos, oficiais e baseados em fatos que possam ajudá-los a entender o maior desafio que enfrentamos em nossa vida. Mas neste momento crucial, as organizações de notícias estão enfrentando um cruel golpe financeiro duplo: com menos pessoas capazes de deixar suas casas e menos vendedores de notícias em operação, estamos vendo uma redução nas vendas de jornais em todo o Reino Unido. Enquanto isso, as receitas de publicidade caem acentuadamente, à medida que as empresas sentem o aperto. Precisamos que você ajude a preencher a lacuna.

Acreditamos que cada um de nós merece acesso igual ao jornalismo vital de serviço público. Portanto, ao contrário de muitos outros, fizemos uma escolha diferente: manter o jornalismo do Guardian aberto a todos, independentemente de onde eles morem ou do que possam pagar. Isso não seria possível sem as contribuições financeiras daqueles que podem pagar, que agora apóiam nosso trabalho de 180 países ao redor do mundo.

O suporte financeiro do leitor significa que podemos continuar investigando, desembaraçando e interrogando. Ele protegeu nossa independência, que nunca foi tão crítica. Somos muito gratos.

Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo jornalismo de qualidade, aberto e independente. E isso está aqui a longo prazo. Toda contribuição de leitor, por maior ou menor que seja, é tão valiosa. 

Fonte: https://www.theguardian.com/world/2020/jun/24/brazil-covid-19-crisis-denies-potato-clown-last-wish

Outras postagens

"*" indica campos obrigatórios

O CNPJ é importante para fins legais descritos na nossa politica de privacidade.
Caso não possua um nome fantasia, coloque o nome na qual você utiliza em suas ações.
Separe elas com uma barra, exemplo: Instagram: @amacerj / Facebook: amacerj
Tipos de arquivo aceitos: jpg, png, jpeg, Máx. tamanho do arquivo: 512 MB.
Vamos usar sua foto na criação do perfil da sua instituição no nosso site =)
Tipos de arquivo aceitos: jpg, png, jpeg, Máx. tamanho do arquivo: 512 MB.
Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

"*" indica campos obrigatórios

Nome*